• Clipping Apae

    * Reportagem publicada no jornal O Progresso de Tatuí em março de 2017

    Apae inaugura jardim voltado a estimular deficientes graves
    Espaço é nova “ferramenta terapêutica” para os atendidos

    A Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) inaugurou no sábado, 11, o “Jardim Sensorial”. A iniciativa oferece espaço estruturado para a realização de atividades terapêuticas, educacionais e sociais.
    A construção do jardim aconteceu com recursos provenientes do edital “Volkswagen na Comunidade”, da Fundação Volkswagen. A instituição foi uma das contempladas pela montadora e recebeu R$ 40 mil para a concretização do projeto “Liberdade dos Sonhos – Jardim Sensorial”.
    De acordo com a gerente de projetos da Apae de Tatuí, Rita de Cássia Leme Ramos, antes do Jardim Sensorial, as dinâmicas de estimulação aconteciam com recursos improvisados e sem estrutura adequada.
    Com a inauguração do novo espaço, foi permitida a realização de atividades estruturadas, o que possibilitou avanço na melhora dos atendidos.
    “A ideia do jardim já estava à espera de oportunidades de financiamento havia mais de quatro anos, tendo em vista ser uma ferramenta para o trabalho terapêutico, educacional e de socialização dos atendidos”, afirmou.
    Segundo a instituição, atendidos com deficiência severa e autismo respondem bem aos estímulos sensoriais. Ao serem levadas a experiências naturais que envolvem visão, audição, tato e degustação, as pessoas com esses quadros apresentam reações de “profundo envolvimento com o meio ambiente, agregado ao relaxamento”.
    Ao fazer uso de diferentes espécies de plantas, com ou sem flores, de variados tamanhos, formas e cores, a equipe da Apae espera estimular visualmente os atendidos. Os contatos diretos com os vegetais e as pistas sensoriais no corrimão e no piso incitam o tato.
    O olfato é instigado com diferentes ervas aromáticas. A gustação é proposta através da associação do gosto de algumas ervas e frutas (morango). A audição ganha estímulo por meio de “materiais sonoros”, em especial a fonte de água instalada do espaço, além do “ruído natural” do jardim.
    A concretização do Jardim Sensorial contou com diversos parceiros, conforme a gerente. O projeto arquitetônico e paisagístico foi idealizado por Veridiana Pettinelli e a execução da infraestrutura, pela Invicto Engenharia, entre novembro e março. Mais de 15 parceiros da entidade fizeram doações, permitindo que o espaço fosse inaugurado no sábado.
    “A participação das terapeutas ocupacionais também foi crucial para que o espaço pudesse ser utilizado por todo o público da Apae”, constou.
    De acordo Rita, a pesquisa do projeto foi realizada pelos profissionais da área técnica. Muitas organizações de assistência já adotam espaços sensoriais para a terapia no país. “É o primeiro a ser inaugurado (na cidade) e poderá servir como referência para outros jardins sensoriais no município”.
    Além da proposta terapêutica do espaço, o Jardim Sensorial poderá servir como espaço de lazer e relaxamento para os atendidos pela entidade.
    A gerente afirmou que, em breve, procurará a Secretaria Municipal da Educação para estabelecer um projeto com as escolas municipais para “não apenas compartilhar o espaço e fortalecer o processo de inclusão”.
  • 0 comentários:

    Postar um comentário